Escritora: Mônica Meirelles.
Nº de páginas: 302.
Editora: Independente.
Ano: 2015.Resenhista: Raiany Souza.

Sinopse: 
O problema não é estar grávida do ex que Anne não ama mais. O problema também não é se apaixonar por um homem mais velho, estranho, que do nada some e não se explica.
  O problema é estar grávida e perder a liberdade, é ver as pessoas que ela considera amigos lhe virarem as costas, é ser traída, ser enganada, é se sentir insegura e abandonada, é não saber o que esperar das pessoas e da vida. No entanto, o problema, antes de tudo, é precisar fazer escolhas e não saber que escolhas fazer, escolhas essas que possibilitará ou não a sua vez de ser feliz, A vez de Anne.

Resenha: 
 Errar é humano, é necessário, é inevitável. Cada erro é um degrau que nos leva cada vez mais pra cima. É errando que se aprende, é aprendendo com seus erros, que se vive.
 Anne é uma garota bonita que vive no Rio Grande do Sul. Com seus cabelos castanhos escuros e olhos verdes ela sempre foi popular e desejada por onde passava. Desde a infância ela só desejou um garoto: Vitor.
 O seu namoro com Vitor teve início na adolescência e infelizmente veio acabar quando Anne pegou seu namorado na cama com outra. Isso a destruiu por dentro.
 Mas até então, "vida que segue".
 Carnaval no Rio de Janeiro. Anne e Lucy, sua melhor amiga, curtem o clima quente do Rio no meio da folia quando aquele "Deus-muso" aparece na vida de Anne.
 Com um elogio aos seus olhos verdes, dá-se início a uma paixão insaciável entre o carioca médico e a bela garota do sul.
 O livro "A vez de Anne" não me agradou nas primeiras páginas, me pareceu um pouco corrido e não prendeu minha atenção. Mas leitor que é leitor sabe quando a obra vale a pena. Me esforcei e terminei o livro em um dia.
 Toda a trama gira em torno das escolhas, sejam certas ou erradas, de Anne. Ela sempre fora a namorada perfeita, a filha perfeita, a aluna perfeita e acabou não sendo ela mesma. Porém, agora chegou a sua vez.
 

"Esse foi o momento da minha vida que eu pude me dar conta que nossos sentimentos não nos pertencem, nós apenas os sentimos e é apenas para isso que eles servem."

 No fim da história a autora me prendeu totalmente. Ela usou um pouco a crítica [Spoiler, galera] ao estupro e às pessoas presentes no ato. Achei bem importante. Principalmente o fato de Anne alertar algumas pessoas sobre estar com medo das ações de seu chefe e ser ignorada, como se quisesse apenas um pouco de atenção. 
 

"Só nós sabemos e conhecemos o que há dentro de nossos corações."

 Críticas à parte, o livro tem um humor fluído e natural que me deixou totalmente à vontade com a leitura. Não há presença de linguagem sexual, mas tem a indicação que tais fatos acontecem abertamente.

"... -Livrai-me do homem mal-intencionado.
-Falou e eu sorri.-E da mulher mal-intencionada?
-Brinquei, voltando ao beijo."

↫ Obrigada pela visita!↬ 


Deixe um comentário