Escritora: Bruna Longobucco
Editora: Independente.
N° de Páginas: 221.
Ano: 2016.
Resenhista: Raiany Souza.
Nota: 
 


Sinopse: Sara é filha de pais separados. A mãe, Maria, é uma mulher ambiciosa e sem escrúpulos. Seu pai, Almir, é um fazendeiro rico e tacanho. Não consegue lidar com a filha e a associa à ex-mulher, por quem sente profunda mágoa, o que forma um abismo entre eles. Por imposição da mãe, Sara de repente é forçada a largar a faculdade e a cidade onde vive para passar um tempo na fazenda do pai, no interior de Minas Gerais. E lá ela se envolve com Caio, o jovem administrador das terras com quem Almir tem uma forte ligação. Antes que a razão possa se manifestar, nasce ali um amor forte e incontrolável. Porém, uma série de enganos e contratempos acaba por separar o casal.  O tempo passa. Sara se torna uma profissional realizada, tem um filho de 5 anos e muitas contas para acertar com o pai e o ex-marido. Quando conclui sua Residência em Medicina Veterinária ela decide que chegou a hora de enfrentar o passado e sua volta intempestiva vai surpreender a todos que vivem na Fazenda Fivela de Ouro. 
O que ela não sabe é que ainda existe alguém capaz de tudo para impedir que ela se aproxime de Caio. 
Mais que uma escolha é um romance envolvente e cheio de conflitos. Uma história de desencontros, suspense e paixão.

Resenha: Sara é uma garota incompreendida, filha de pais separados, vivendo sobre os ensinamentos egoístas e mesquinhos da mãe e da indiferença de seu pai.
 Ela é taxada como mimada e atrevida, quando na verdade, está apenas se defendendo da injustiça de ser comparada à sua mãe.
 Obrigada a largar a faculdade e sair de casa, Sara vai morar com seu pai na fazenda Fivela de Ouro, em Minas Gerais, onde nunca se sentiu amada ou bem-vinda.
 Na Fazenda ela conhece Caio, um rapaz responsável por quem Almir -pai de Sara- tem grande apreço. A paixão entre os dois acaba surgindo, e claro, como todo bom romance, há aquela vilã desprezível e mal-amada.
 Podemos separar o livro em duas partes. A primeira parte, contada acima, quando Sara descobre esse enorme sentimento por Caio e acaba se distanciando do seu "felizes para sempre" pela maldade alheia. A segunda parte, que é quando ela - finalmente, uhul - volta para a fazenda, e muito bem acompanhada pelo seu filho de 5 anos. Sim, isso mesmo, ela estava grávida de Caio quando teve que ir embora!
 Foram vários os fatores para separar o casal. Teve vilã irritadiça, zero apoio por parte da família de Sara - dos dois lados - e mentiras.
 Mesmo após tanto tempo de dor e sofrimento, o destino não se cansou de brincar com o romance entre Sara e Caio. 
 Enfrentar tantas batalhas pode quebrar seu coração de um jeito que só o amor é capaz de curar.
"- ... Ambos se amavam, mas o universo dos dois era tão diferente. É aquela velha história: A moça da cidade e o peão. A filha do dono da Fazenda e o empregado. E no meio disso um monte de gente julgando, invejando, torcendo para separá-los. Até mesmo seu pai não soube te apoiar, sua insegurança começou aí. E se as diferenças já existiam antes, imagino que agora são maiores e não há como mudar esse fato."


 Que Romance Mineiro foi esse! Fiquei apaixonada! Consegui passar do amor para a raiva, da raiva para o choro, do choro para a surpresa... foram tantas as emoções que nem sei listar!
 É um livro bem completo, devo parabenizar a escritora. Eu, particularmente, não gosto quando o livro tem um final aberto, quando acaba no auge do amor entre as protagonistas. Em Mais que uma escolha, você acompanha a longa trajetória de amor entre Caio e Sara até o ponto certo para o desfecho.
 Fui bem surpreendida em vários pontos do livro, principalmente ao pensar que Sara seria mimada e chata, ou quando senti pena do Seu Almir por ter uma filha que o negligenciava.
 Pois bem, de fato fiquei com um pé atrás, sempre fico quando o tema é romance nacional. Mas eu até gosto de não esperar muito de uma obra, pois no final, ela acaba me surpreendendo em dobro, e foi isso que aconteceu com Mais que uma escolha.


Frases do livro que eu gostei:

"Todo mundo gosta de julgar os outros pela casca, não é assim que se diz?" - página 38


"Mesmo num mar de dúvidas e interrogações precisa encontrar um ponto." - página 152

"As coisas que deixamos de viver, por algum motivo que não consigo explicar, geralmente são aquelas que nunca conseguimos esquecer." - página 153

                              ⤪ Obrigada pela visita! ⤭


Deixe um comentário