Sinopse

Eros, o belo deus do amor, foi incumbido por sua mãe de castigar a bela Psiquê pela afronta de sua inacreditável beleza. Porém, o deus alado se vê ferido pela própria flecha, e cai de amores por aquela que deveria punir. Deve agora fazer o que estiver ao seu alcance para proteger sua amada princesa da ira de Afrodite.
Mas será que este amor tão sublime resistirá ao peso da desconfiança?

Resenha

 Nesse belíssimo conto, encontramos uma nova versão da história grega de amor sobre Eros e Psiquê.
 Eros é o deus do Amor, e faz jus a imagem de anjo, com asas alvas e cabelos loiros. Ele é o filho mais amado de sua mãe, Afrodite, que certo dia queixa-se por não ter mais tão adorada como antes. Eros, como um bom filho que é, aceita resolver o problema de sua mãe e vai atrás da jovem que rouba a atenção da beleza de Afrodite.
 Disposto a faze-la se apaixonar pelo mais terrível monstro, ele se esgueira pela floresta e prepara sua arma para atirar uma flecha do amor na bela jovem.
 E aí é que a história fica boa. O feitiço se volta contra o feiticeiro. Eros, por um descuido, acaba se ferindo com a própria flecha e mata a fera destinada a casar com a princesa.
 Disposto a esquecer o ocorrido, ele volta ao Olimpo e tudo o que ele menos esperava acontece. Ele se apaixona.
 Psique é a mais jovem entre as três irmãs e a mais bela de todas -segundo alguns. Ela nunca se apaixonou até que o destino, ou melhor, o oráculo, a manda para se casar com uma horrenda fera. Para não desobedecer os deuses, ela vai. A princesa só não esperava que o seu marido fosse um ser tão mistério ao ponto de não mostrar sua verdadeira forma.
 Sim, Eros enlouqueceu, e contrariou a mãe casando-se com Psiquê para livra-la da ira de Afrodite. Temendo o pior, o Deus não se mostra visível para sua esposa, mas mesmo assim ganha seu coração.
 A inveja e o ódio podem destruir uma paixão pura e verdadeira, assim como a saudade e o amor podem reata-la.
 Psiquê teve que enfrentar as mais ardilosas missões dadas por Afrodite, e assim, conseguir seu amado de volta.
 Mesmo com o arcaísmo presente na narração da autora, eu consegui entender claramente a trama do conto. Ela apenas mostrou sua visão de uma das histórias de amor grega mais incríveis, e mesmo assim, pareceu algo inovador e único.

Resenhista: Raiany
Escritora: Catarina Muniz

Páginas: 42
Nota: 


Deixe um comentário