Autora: Lídia Rayanne.
 Editora: Independente.
 Número de páginas: 511.
 Ano: 2017.
 Gênero: Romance de época.
 Resenhista: Laiza.
 Nota:
               

Sinopse: Ela havia nascido para ensinar. Ele, para governar. Só precisavam que o destino os unisse…
 Em meio às guerras napoleônicas, a pequena república de San Marino ainda permanece livre com as graças do Imperador Bonaparte. Mas a paz que reina no Monte Titano não se aplica a Ângela Olivério.
 Pressionada por seus pais para aceitar um casamento arranjado, a jovem se pergunta quem em pleno século XIX aceitaria se casar com uma professora cheia de sonhos idealistas.
 As inquietações também não abandonam Marco Casali. Comprometido com a bela Alessa Vicini e filho de um dos governantes mais importantes de sua geração, o galante rapaz se sentia preparado para substituir o lugar do pai no Conselho de San Marino. Isso até o dia em que foi envergonhado diante de seus mais importantes líderes. Como ele poderia se tornar o capitão-regente de um país cuja história e povo mal conhece?
 Depois de um inesperado encontro, Marco descobre em Ângela a mentora improvável de que precisa. Sob a promessa de que ele lhe conseguirá uma audiência com os próprios capitães-regentes, Ângela aceita a missão de instrui-lo nos preceitos da República sem saber que, terrível e irreversivelmente, seu coração seria arrebatado logo por ele — um rapaz destinado à outra garota.
 Mas o que ambos não imaginam é que, à medida que lutam contra o sentimento crescente entre eles, a chegada de dois estrangeiros ameaça a liberdade de San Marino.

Resenha: A autora Lídia Rayanne nos trouxe nesse livro um romance em meados do século XIX, envolvendo um casal: Marco Casali e Ângela Olivério.
 Ângela é uma jovem de 19 anos, inteligente e sonhadora. Desde quando tinha 16 anos, ensina as crianças e passa os seus conhecimentos sobre o país onde vive. Enquanto está imensamente focada em educar a criançada, seu pai Renato, quer casá-la, pois já estava beirando os vinte, assim ficando velha para se unir a um homem. Mas a garota tem o sonho em se casar sim, mas quando achar seu amor verdadeiro, entretanto seu pai não entende isso e tem a ideia que ela não está a procura de um parceiro, assim ele pretende arranjar um casamento para sua filha.
 Já Marco Casali, tem dinheiro, mulheres ao seu dispor, uma comida farda e tudo mais. A diferença entre ele e Ângela, se resume em que o caro rapaz tinha encontrado uma moça, onde dizia que estava apaixonado por ela. Essa moça que se chamava Alessa Vicini estava deixando esse homem louco de amor, esperava até se casar com ela. Assim Marco decidiu dar uma festa para seu futuro sogro, esperando mostrar sua sabedoria sobre San Marino, onde pretendia governar.
 No dia do jantar, Marco estava indo bem, até que por um deslize ele mostrou pura falta de informação sobre a politica de San Marino. Irritado com o que tinha acabado de acontecer Marcos se retirou do local, e em meio aos seus pensamentos lembrou-se do dia que encontrou uma moça, a Ângela, as suas sabias palavras ditas para impedir uma briga maior. Assim para não perder o governo que iria comandar, ele decidiu ir à busca dessa jovem com a esperança que ela possa ensinar a ele tudo que envolva politica. Podemos conferir sua verdadeira ideia com um trecho do livro:


“Um dia como todos sabem, eu farei parte do Conselho Grande e Geral de San Marino, assim como meu pai, e o pai do pai dele… Eu quero ser um bom governante, assim como eles foram, mas… eu ainda não me sinto preparado para isso, apesar de toda a instrução que recebi..." “E o que eu tenho a ver com isso?” Ângela arqueou uma sobrancelha. “É, bem… pode parecer loucura, mas… se não for pedir muito…” Marco engoliu em seco “Eu gostaria que a senhorita me ensinasse sobre política e como ser um bom líder.” Completou timidamente...
 Desde o primeiro capitulo até o ultimo essa historia me fascinou de um jeito inexplicável, sempre gostei de romances de época e esse merece meus parabéns. Mesmo sendo um livro com 511 páginas eu consegui finalizar em um mês, pelo sua forma de escrita que é viciante e não é muito comum nos livros que leio. A autora usa aspas ao invés do travessão, isso me chamou muita atenção por eu não encontrar muitos livros ou e-books assim.
 Estou ansiosa para ler outras obras dessa autora, para me acostumar mais ainda com essa forma de escrita e me aventurar nesses romances de época.


Um Comentário

  1. Que resenha mais linda! Fico super feliz que San Marino tenha te cativado tanto! 😍 em breve virá o livro 2 ❤

    ResponderExcluir